Há uns dias, realizando minha caminhada, senti um pequeno desconforto no meio do peito. Como sou hipertenso e tenho um stent cardíaco, soou o sinal de alerta: opa! Entopiu de novo!

Parei com os exercícios, consegui uma consulta com o cardiologista que me passou, além dos exames de sangue, uma cintilografia de miocárdio.

Como realizo esses exames periodicamente, já me tranquilizei e vou tirar de letra!

Exame de sangue pronto. Tudo beleza! Agora vamos à cintilografia: com esforço e em repouso. 

Em repouso é tranquilo. Sala de exames com ar refrigerado, ante sala bem arejada… Agora o exame em esforço físico. 

Quando penso que será na esteira…

Está proibido o uso da esteira para a realização do exame por causa do covid-19. Há possibilidade de contaminação do ar por causa da respiração ofegante da atividade física. Fiz um teste de esforço induzido. 

Aplicam um medicamento em você para simular o esforço físico. 

Começa esquentando as orelhas, passa para os braços, depois o tronco começa a esquentar, o estômago começa a reagir mal, o coração começa a disparar e a cabeça a doer. 

Acho que fui além da esteira; com certeza fui a Saturno e voltei com pelo menos dois contatos imediatos. 

Dói a cabeça de você achar que ela vai explodir pelos quatro cantos da sala de exames e o pior, você continuaria vivo!

As pernas e os braços: parece que amarraram neles o Titanic afundando.

Ah! o coração! Parece a cabeça só que dentro do tórax; vai sair pelo peito!

O estômago parece que tem um leitão inteiro dentro dele, só que vivo!

A minha respiração parecia o orifício respirador de uma baleia azul! A cada respirada a minha máscara entrava na minha garganta fazendo cócegas nos alvéolos do pulmão; e a cada expirada a minha máscara saía um metro da minha cara para retomar o processo!

A iluminação acima de mim aumentou umas 100 vezes. Achei que estava chegando no sol!

Você tem duas vontades neste momento: a primeira é morrer de uma vez, e a outra é, se você conseguisse sair da maca em que estava deitado, semi morto, de encher de porrada a pessoa que aplicou o medicamento.

Quando a médica me disse que faltavam dois minutos para encerrar o exame, se eu conseguisse me mexer, eu a teria enforcado com os eletrodos do equipamento do teste.

Depois foi aplicado o medicamento que revertia esse processo. Parecia que estava sendo picado por um formigueiro inteiro. 

Mesmo aliviado, todo o processo de reversão foi em vão! O trauma já estava consumado!

Quando me sentir assim sem medicamentos, já sei que está na hora de encontrar o Criador e prestar contas. 

Devem ser assim, os sintomas da morte por infarto. 

Cuide-se! Fique em casa!