Tecnologia: Quando Não Enjoa, Adoece

Pra Começo De Conversa

Você já deve ter percebido a quantidade de smartphones que existem no mercado e passeando pelas ruas nas mãos de crianças, jovens e adultos.

Um aparelho que se comunica com o mundo.É provável que ao terminar de escrever esse post já tenha sido vendido no mundo, só hoje, mais de 2.200.000 (dois milhões e duzentos mil) aparelhos de telefone celular. Isso mesmo! Só hoje, mais de dois milhões e duzentos mil aparelhos de celular (smartphones).

Ciborgues

Ouvindo o podcast de um cientista brasileiro, Marcelo Gleiser, que recomendo que assinem, uma das perguntas feitas a ele foi sobre a evolução humana nos próximos 1000 anos.

Ele respondeu que não tem como prever mas uma coisa ele tem certeza que nós, humanos, temos nos smartphones uma extensão da nossa vida.

Praticamente a configuração do aparelho carrega nossa personalidade: os aplicativos que usamos, as redes sociais que frequentamos, nossas preferências por notícias, músicas entre outras formatações, e que não conseguimos mais ficar sem esta ferramenta.

Este será o futuro da humanidade: vamos virar ciborgues, metade humano, metade máquina.

Mas não será sem um custo alto, que de certa forma já estamos pagando. O que é demais enjoa; na pior das hipóteses, adoece.

Doenças Causadas Pelo Mau Uso Da Tecnologia*

Nomofobia

Nome esquisito para uma sensação de angústia sentida por quem não tem como se conectar com o meio externo por causa da ausência ou abstinência de internet ou pela falta de um equipamento, computador ou smartphone para realizar a conexão.

Síndrome do Toque Fantasma

Pessoas que sentem o telefone vibrar ou ouvem tocar mas sem nada ter acontecido. Ocorre com 70% das pessoas que fazem uso assíduo de tecnologia.

Depressão

É causada porque as pessoas precisam saber se estão sendo visualizadas, ou seja, a quantidade de likes e curtidas fazem toda a diferença para elas.

Estas são apenas algumas doenças atuais onde a tecnologia está associada.

Conectar-se A Qualquer Custo

A coisa é tão séria que o caso que vou relatar mostra o quanto o vício em tecnologia, principalmente o vício do uso do smartphone é prejudicial ao físico e emocional. Vamos a ele.

Um chinês, que não tinha dinheiro para comprar um iPhone e um iPad, vendeu um de seus rins sem que ninguém soubesse para obter o dinheiro e realizar seu sonho.

Ao final do processo isso se tornou seu pesadelo. 

Ele havia procurado uma clínica clandestina para realizar a cirurgia, recebeu a grana e comprou seus sonhos de consumo. 

Acontece que a cirurgia infeccionou e ele acabou perdendo o outro rim. Hoje está de cama e fazendo hemodiálise. E assim ficará para o resto de sua vida.

Você Sumiu!

Outro agravante neste vício, não bastasse a pandemia, é o quase total isolamento social e a falsa sensação de que tudo se resume na internet.

Fazer parte de grupos, apresentar uma falsa imagem de si mesmo entre outros atos fazem com que o ciberviciado perca o sentido da própria vida.

Prevenção

Quando for dormir desligue o celular ou não o leve para o quarto.

Diminua o consumo de tecnologia e mantenha um nível de, se podemos dizer assim, “modo de trabalho”; terminou, saia de perto do aparelho.

Não faça refeições usando o telefone. 

Tente analisar suas opções para deixar o vício tecnológico, baseado na sua capacidade de produzir algo fora desse ambiente. Por exemplo: culinária, artesanato, etc.

Se não conseguir, procure ajuda médica.

luciano.cardozo

Share

%d blogueiros gostam disto: